Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Adelina Capeletti

 29/12/1934     02/05/2018



PROVÍNCIA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS DE SÃO JOSÉ

DE CHAMBÉRY NO BRASIL

NÚCLEO SAGRADA FAMÍLIA

                                                                                              IRMÃ ADELINA CAPPELETTI

                                                                                                                                               * 29/12/1934

                                                                                                                                              + 02/05/2018

 

                                                                                                                                     “Deixe-Me agir! Acredite!” (Jesus)

 

 

Adelina, oitava filha e gêmea do único irmão, nasceu no dia 29 de dezembro de 1934, em Farroupilha, RS. Seus pais Dante e Égide Cappeletti, profundamente cristãos, incutiram a fé e os valores evangélicos desde cedo, em seus filhos.


Adelina perdeu a mãe muito cedo. Aos sete anos, seu pai levou-a à Missa numa igreja onde havia Irmãs. Ela gostou das Irmãs e convenceu-se que era esta sua vocação. Aos 11 anos, pode realizar seu sonho e entrou no Juvenato das Irmãs de São José, Congregação onde estava sua irmã Zélia Cappeletti. Em 18 de fevereiro de 1953, iniciou a etapa do Postulado, no Convento São José em Garibaldi, onde aos 18 de dezembro do mesmo ano, foi admitida ao Noviciado, recebendo o hábito e o nome religioso de Irmã Égide Inês. Após dois anos de oração, estudo, discernimento e aprofundamento sobre a Vida Religiosa, a Igreja, a Bíblia e outros, aos 18 de dezembro de 1955, fez sua Primeira Profissão, pronunciando os Votos de Pobreza, Castidade e Obediência. Tinha por lema: “Ser lamparina viva de Jesus” porque queria ser toda de Jesus. Durante seu tempo de formação e como jovem Irmã, foi professora de Jardim de Infância e estudante do Curso Normal, em Veranópolis e Lagoa Vermelha. Em 29 de janeiro de 1961, fez sua Profissão Perpétua e foi enviada a Montenegro, onde, além de ser professora, graduou-se no Curso de Contabilidade e foi tesoureira.


Em 1970, foi solicitada a assumir o Economato Provincial, em Porto Alegre, na Comunidade São Luiz. Mais tarde, viveu na Casa Provincial, no centro de Porto Alegre, onde, por 27 anos foi Ecônoma Provincial e, também, foi tesoureira da Associação das Irmãs de São José. Em 1999, sua situação de saúde não mais a permitia subir e descer as escadas; por isso foi transferida para a Comunidade São Luiz com a tarefa de informatizar a biblioteca, além de se dedicar a outras pequenas tarefas e à oração. Lá aprendeu a fazer macramê, atividade que continuou fazendo por muitos anos.


Sua doença, a sarcoidose, foi dificultando Ir. Adelina de caminhar, trabalhar, subir escadas... Foi muito difícil para ela, pois “parecia que a vida tinha se virado pelo avesso”. Aos poucos foi assumindo a doença, aceitando-a durante uma experiência forte de Deus quando sentiu que devia entregar tudo nas mãos de Deus. Por isso, o lema passou a ser, desde então: “Deixe-Me Agir! Acredite!”


Agravando-se a doença e necessitando de maior ajuda, em 2006, passou a integrar a Comunidade Nazaré, onde passava o tempo rezando, lendo, fazendo macramê, assistindo bons programas da TV e evangelizando através de seu sorriso e palavras.


Procurou viver o Carisma através da cordial caridade, da humildade, da simplicidade, das pequenas coisas diárias, procurando ser elo de união, ser amável, pelos pequenos serviços e pela oração que fazia, todos os dias, para a comunidade e para toda a humanidade.


A passagem bíblica que mais a marcou foi a da transformação da água em vinho nas Bodas de Caná: “Eles não têm mais vinho. Fazei tudo o que Ele vos disser.” Por isso, amava muito a Eucaristia. Também, no Evangelho de Lucas, capítulo 17, quando Jesus reza ao Pai por todos(as) nós: “Que eles sejam Um, como tu e eu somos UM.”


A vida comunitária sempre foi uma força, um apoio, uma ajuda constante e que exigiu uma ascese contínua para ser solidária, aceitar a opinião da outra, amá-la diferente.


As grandes devoções de Ir. Adelina eram: a Eucaristia, Maria, São José, o Anjo da Guarda, Santa Teresinha e a Trindade (Durante muitos anos, rezou 33 Glória ao Pai para agradecer a SSma. Trindade de nos ter dado Jesus).


Diante da doença e da velhice dizia que procurava acolher com as duas mãos, com amor e paz as limitações que lhe traziam. Era agradecida a Deus por poder fazer algum trabalho – “Isso é uma graça”. O pior emprego é não poder fazer nada.


Em seu quarto, geralmente, sentada na cama, Adelina sempre acolhia as pessoas com alegria e carinho. Gostava muito de receber visitas dos familiares e das Irmãs.


Quando seu quadro de saúde piorou, deixou de fazer macramê e se ocupava apenas com a oração e alguns programas, como a Missa, o Terço, das TVs Aparecida e Rede Vida.  Lentamente, foi enfraquecendo em sua mente e em seu corpo. Veio a falecer, no dia 02 de maio de 2018, às 12h20, com  83 anos de idade e 62 anos de Vida Religiosa, na Congregação das Irmãs de São José. Seu corpo descansará no Cemitério São José, em Porto Alegre, RS.

 

Irmã Adelina!

Agora, que estás contemplando, face a face, o Deus  que tanto amaste

intercede pela Congregação,

por teus familiares,  por tua Comunidade de Irmãs,

pelas funcionárias e enfermeiras que te assistiram durante tantos anos.

Pede a Jesus que nos conceda a graça de vivermos e fazermos tudo

por amor e para a maior glória de Deus, a fim de que aconteça

a UNIDADE desejada por Cristo.

DESCANSA EM PAZ!

 

                                                         Porto  Alegre,  02 de maio de 2018. 






topo voltar