Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Pare o Racismo

Irmãs de São José de Chambéry promovem movimento mundial em plataforma digital


Queridos amigos e amigas, a situação mundial nos convoca a tomar um posicionamento contra todas as formas de violência. Conclama-nos a levantar nossas vozes contra o racismo em todas as manifestações para serem ouvidas em todo o planeta.


Pela primeira vez, as Irmãs de São José de Chambéry estão promovendo um movimento mundial em plataforma digital. Você está a um clic para contribuir e validar com sua resposta esta petição.


JPIC convida a assinar a petição sobre o racismo na plataforma AVAAZ, acessando o link: https://bit.ly/PareoRacismoJa ou clique no botão abaixo;


Assinar Petição

DECLARAÇÃO SOBRE O RACISMO SISTÊMICO


Congregações de São José - Uma ONG com Status Consultivo Geral

As Congregações de São José, uma ONG com Status Consultivo Geral junto ao ECOSOC nas Nações Unidas, condena todas as formas de racismo e xenofobia onde quer que elas se manifestem e, em especial, neste momento, o racismo sistêmico contra pessoas de origem africana, como foi visível no assassinato de George Floyd.  A recente morte de George Floyd nas mãos da polícia em Minneapolis, Minnesota, Estados Unidos da América, levou o flagelo do racismo sistêmico ao cenário mundial e aos corredores das Nações Unidas em Genebra. Aplaudimos o Debate Urgente realizado no Conselho de Direitos Humanos de 17 a 18 de junho de 2020 e apoiamos a necessidade de as Nações Unidas e todos os Estados membros continuarem a abordar as violações atuais dos direitos humanos de origem racial, o racismo sistêmico, a brutalidade policial contra as atuais pessoas de origem africana e a violência contra protestos pacíficos?.


Como disse a Vice-Secretária Geral Amina Mohammed, falando em nome do Secretário Geral Antonio Guterres, em 17 de junho, o racismo estrutural é endêmico, abrangendo a história e as fronteiras em todo o mundo. Apoiamos o apelo da Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, para que nos engajemos numa ação decisiva... para abordar o racismo generalizado que corrói as instituições do governo, enraíza a desigualdade e subjaz a tantas violações dos direitos humanos. Reconhecemos que o racismo está subjacente a muitas de nossas práticas institucionais repletas de desigualdade, desde a educação e a saúde até a aplicação desigual da lei.  Aplaudimos a recomendação do Conselho de Direitos Humanos A/HRC/43/L.50, que pede o estabelecimento de uma comissão internacional independente de inquérito para estabelecer os fatos e circunstâncias relacionados ao racismo sistêmico, supostas violações da lei internacional de direitos humanos e abusos contra os africanos e pessoas descendência africana nos Estados Unidos da América? e em todos os lugares do mundo.  Presentes em mais de 40 países nos cinco continentes, nos comprometemos a trabalhar localmente, nas cidades e países onde estamos localizadas e, globalmente, com as Nações Unidas, para mudar as estruturas econômicas, culturais e sociais que sustentam o racismo sistêmico e a xenofobia.

topo voltar