Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Irmã Rosa Sguissardi Muraro

 02/08/1920     02/10/2013



CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS DE SÃO JOSÉ DE CHAMBÉRY
PROVÍNCIA DE CAXIAS DO SUL – RS



IRMÃ MARIA GONZAGA
(Rosa Sguissardi Muraro)

* 02/08/1920
+ 02/10/2013
“Amai-vos como eu vos amei.” Jo 15,12.
Irmã Maria Gonzaga nasceu em André da Rocha, terceiro distrito de Lagoa Vermelha, dia 20 de agosto de 1920.
Era filha de Celeste Muraro e de Joanna Sguissardi Muraro. Pais profundamente cristãos transmitiram aos filhos, pela oração e pelo testemunho, a fé em Deus e um grande amor à vida. A família foi ambiente favorável ao desabrochar e ao cultivo da vocação religiosa de Irmã Maria Gonzaga e do irmão Frei Nicásio, Capuchinho. Teve ainda muitas primas e primos religiosos.
Foi batizada e crismada na Paróquia de Nova Bassano.
Sentindo-se chamada por Deus a uma doação total no serviço aos irmãos, deu o seu SIM ingressando no Juvenato em Garibaldi com a idade de 14 anos e, em 1942, fez sua entrega definitiva a Deus na Congregação das Irmãs de São José.
A generosidade na missão e a disponibilidade e abertura a Deus foram as características que acompanharam a vida de Irmã Maria Gonzaga. Exerceu sua profissão na Escola Santa Joana D´Arc, de Rio Grande; no Convento São José em de Garibaldi; Escola Normal São José de Caxias do Sul; Escola São José de Vacaria; Colégio São José de Pelotas; Colégio São José de Concórdia; Escola de Enfermagem de Caxias do Sul; Escola Normal São José de Garibaldi e em Fátima do Sul, MS. Quando era solicitada a prestar serviços nas diferentes localidades, Irmã Maria Gonzaga dizia: “Cristo me chama e deseja uma resposta. Jesus, a Igreja e a Congregação precisam de mim lá para realizar seu plano de amor”. E mesmo sofrendo, dava seu o SIM.
Por vários anos, trabalhou também na formação das jovens que se sentiam chamadas à Vida Religiosa.
A grande bandeira, porém, de Irmã Maria Gonzaga foi o trabalho junto aos portadores de necessidades especiais. Integrou a equipe fundadora no Hospital Pompéia pelo período de 24 anos.
Dizia referindo-se a esse trabalho: “Desempenhei esta missão sempre com muito amor, dedicação e oração”.
Mário Gardelin, escritor caxiense, conhecendo o trabalho de Irmã Maria Gonzaga, a ela dirigiu-se, dizendo: “Amar os enfermos é semear; é colher, é depositar o grão de ouro nos tesouros onde a traça não come, o vento não esfarinha, o vendaval não dobra. E os enfermos que recebem essa ajuda, na verdade, são os que semeiam. Semeiam em nossas almas a oportunidade do amor que não morre jamais. Parabéns, Irmã!”
Em todos os lugares onde atuou, soube deixar a marca de pessoa dinâmica, ativa, aberta à inovação, dedicada e atenta às necessidades das pessoas. Sempre muito sensível à graça de Deus, aos apelos dos pobres, dos menos favorecidos, tudo era decidido na oração e no diálogo com as superioras e com as Irmãs. Lê-se em uma de suas cartas: “Ao receber o convite para missão, passou-se em mim um misto de alegria e interrogações... Mas agora, sinto-me animada, pois sei que Cristo me chama a dar uma generosa resposta. Em minha meditação, vi de perto que poderei realizar melhor o meu ideal de fazer de minha vida um louvor a Deus pela disponibilidade, alegria, simplicidade e a oração, que sempre foi força e luz na vida.
Na data comemorativa dos 70 anos de vida religiosa, assim se expressou: “Não tenho palavras para agradecer meus familiares e as Irmãs de São José pelo apoio que sempre recebi”.
Às jovens vocacionadas dizia: “Escutem a voz de Deus que as chama para segui-lo. Rezo por vocês, pois quem está realizada na vocação, não cansa de pedir vocações”.
No ano de 2009, Irmã Maria Gonzaga integrou a Casa Nazaré, em Caxias do Sul para tratamento de saúde. Sempre muito tranquila, sabia acolher as pessoas, interessava-se por elas e com amor, gostava de lembrar o quanto trabalhou em favor das pessoas portadoras de necessidades especiais.
Em 2007, Irmã Maria Gonzaga celebrou 70 de Vida religiosa.
No dia dois de outubro de 2013, entregou sua alma a Deus depois de passar um breve tempo no hospital.
Querida Irmã Maria Gonzaga, como Irmãs de São José, expressamos nossa gratidão pela sua vida tão rica em graça, tão fiel ao sonho do nosso fundador, Padre Jean Pierre Médaille, pela sua vida doada ao serviço de Deus e do povo. Obrigada pelas marcas de simplicidade, humildade, pobreza, tudo regado pela vida em oração.
Junto a Deus interceda por nós, Irmãs de São José, pelos familiares, pelos sobrinhos a quem você dedicava especial carinho, pelas pessoas que, por vários anos, estiveram ao seu lado. Que pela sua prece, o Senhor abençoe aos portadores de necessidades especiais e aos cuidadores. Pede também, ao Senhor da Messe que envie vocações à Igreja e à nossa Congregação.

Garibaldi, 03 de outubro de 2013.

topo voltar