Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Fale Conosco
Memorial Saudades
Irmã Ursulina Maria Iasi

 20/11/1933     23/02/2021



Província da Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no Brasil

Núcleo SSma. Trindade        


Irmã Ursulina Maria Iasi

(Philomena Iasi)

* 20/11/1933     + 23/02/2021

 

Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam. Pois, o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas (Mc, 14).

 

Nossa querida Irmã Ursulina nasceu no dia 07 de novembro de 1924, em São Paulo, sendo seu pai o sr. Antonio Iasi e mãe, D. Ursulina Gaeta.  Os pais, pessoas de fé, logo no mês seguinte levaram a pequena Philomena à pia batismal.  Foram agraciados com 4 filhas, e três filhos.  A família era exemplo de piedade e vida cristã e foi abençoada com a vocação religiosa de três filhas que se tornaram Irmãs de São José -  Irmã Ursulina, Irmã Angelina e Irmã Eulália. E também com um filho sacerdote, Pe. Antonio Iasi, Jesuíta que dedicou grande parte de sua vida ao trabalho com os povos indígenas.  Padre Antonio gostava de dizer que os quatro irmãos foram chamados por um descuido de Deus.

 

Para manter a família, os pais construíram três portas de comércio no Jardim Europa. Tinham também uma quitanda alugada. O pai era um homem tranquilo e controlado. Quando aconteciam coisas erradas limitava-se a dizer: “Uma vez paga por todas”. Mas nunca batia. A mãe, muito religiosa, entendia de educar bem os filhos. 

 

Philomena fez o curso primário em São Paulo no antigo Externato Santa Cecília que funcionava onde hoje é a Escola de Enfermagem São José. Naquele tempo, a locomoção em São Paulo, era de bonde ou ônibus. E após as aulas, uma Irmã sempre acompanhava as alunas até a condução. Foi nessa escola que Philomena conheceu e se encantou com as Irmãs de São José e começou a pensar em seguir esta vocação. Sempre boa aluna, estudou o Ginásio, parte no Colégio Bom Conselho em Taubaté e parte no Patrocínio em Itu, onde foi a primeira Juvenista no Juvenato.  Quanto à saúde, sempre foi de estômago fraco, certos odores - como o de pixe - lhe provocavam náuseas.

 

Decidida vocacionalmente, Philomena entrou para o Noviciado a 26 de julho de 1947. Recebeu o hábito a 29 de janeiro de 1948 e o nome da mãe, Ursulina. Pronunciou seus primeiros votos a 11 de fevereiro de 1950 e os votos perpétuos a 11 de fevereiro de 1953. A confiança e a afeição da formadora, Madre Cacilda de São José Ferraz, ajudou muito a viver seu sonho de ser uma boa Religiosa.  Na caminhada da vida, nunca esqueceu os ensinamentos recebidos da mãe, cujo nome levava com o maior apreço. 

 

Por esse tempo, Madre Marie Domineuc – das Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria - a pedido do Arcebispo de São Paulo, D. José Gaspar de Fonseca, procurava alunas para abrir uma Escola de Enfermagem. Foi quando Madre Jacintha propôs à Irmã Ursulina, como a outras Irmãs, fazerem o Curso na recém-criada Escola Paulista de Enfermagem. O pai ficou contrariado. Como a filha, fraca de estômago, aguentaria trabalhar com doentes? Felizmente, não foi o caso. Ursulina se encontrou e se realizou na área da saúde, sem nenhum impedimento à sua dedicação e amor.  As Irmãs Franciscanas a convidavam para entrar em sua Congregação. A resposta vinha sempre clara: “Estou muito bem com as Irmãs de São José”. 

 

Ao final de um mês de estágio no Hospital São Paulo, como responsável, eram só elogios à Irmã Ursulina, entre outros, dizendo que nunca tinham economizado tanto. É que, por hábito, ela zelava muito para que nada fosse desperdiçado. Pessoa prática, dedicada, enxergava e controlava tudo o que devia ser feito a tempo e a hora. Pessoas que admiravam sua esperteza e dedicação perguntavam se não desejava fazer uma experiência fora do Convento. A resposta pronta: “Sou feliz como Religiosa e como Enfermeira. Por que tentar outra coisa”?

 

Em seu curso de Enfermagem, Ursulina fez estágios em Cirurgia, em Clínica Médica, em Obstetrícia e Pediatria. Sua vida foi praticamente na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. De 1949 a 1956 foi Chefe da Clínica Cirúrgica. De 1956 a 1958 foi Chefe da Pediatria, em Campinas. E, de volta à Santa Casa de São Paulo, foi Chefe da Clínica Pediátrica a partir de 1958 até 2012.  Irmã Ursulina, tinha aquele seu jeito sério, mas adorava crianças, vivia e respirava Pediatria. Ursulina e Pediatria eram como vice-versa. Pessoa forte, tornou-se quase um ícone na Santa Casa. E por longos anos, teve assento na Mesa Administrativa da Entidade.

 

Irmã Ursulina amava sua vocação. Aceitar-se e ir corrigindo as pequenas faltas, fidelidade à oração, à leitura espiritual foram práticas que fizeram parte de seu caminho de santidade.  Tinha grande devoção a São José a quem invocava continuamente: “Meu bom Pai São José, falhei de novo, fique comigo, me ajude a ser uma Irmã simples e humilde. Ah! São José, não esqueça minha fragilidade”! As Irmãs lhe diziam: “Ursulina, você, amola tanto São José! A Mãe de Jesus, Nossa Senhora, você deixa em paz”!

 

No ano de 2012, em janeiro, debilitada pela idade, foi transferida para a Casa de Repouso São José para descanso e tratamento. Vida entregue à sua missão, só na Santa Casa, deixou 61anos de sua vida, dos quais, 54 na Pediatria.  Em Campinas, 3 anos.

 

No dia 23 de fevereiro de 2021, respondeu ao convite: “Vinde, bendita de meu Pai”! Partiu para a alegria em plenitude junto de Deus e de seus santos.

 

Querida Irmã Ursulina, no céu, na luz de Deus,

Olha por tua família, tuas Irmãs de Congregação,

Pelas crianças que receberam tanto de tua dedicação,

Enfim por todas as pessoas carentes de amor e de cuidados.