Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Fale Conosco
Memorial Saudades
Rita Maria de Jesus

 02/09/1917     12/01/2021



        Província da Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no Brasil

 Núcleo SSma. Trindade         

Irmã Rita Maria de Jesus

(Elvira de Oliveira)

* 02/09/1917     + 12/01/2021

 

Onde está a felicidade?

Irmã Rita Maria de Jesus (1998)

             Nascida Elvira de Oliveira, a 02 de setembro de 1917, em Cotia, recebi na Congregação o nome de Rita de Jesus a pedido de meu pai. Era o nome da avó patema. Fui a terceira dos 10 filhos de Baltazar Manoel de Oliveira e Francisca dos Santos Coelho.

             Desde cedo aprendi a lida da casa e cuidei de minha irmã mais nova, Isabel que esteve doente por 10 anos. Gostava de brincar. Onde morava, não havia escola. Assim que um tio nos ensinava a ler e escrever, à noite. Ele ajudou minha mãe na nossa educação pois meu pai passava a semana trabalhando longe em Cotia.

             Aos 10 anos, numa noite de Natal fiz minha primeira comunhão. Momento inesquecível foi receber o Corpo de Cristo nesse dia. Aos onze  anos de idade, já entrei no grupo da Pia União das Filhas de Maria. Em nossa família fomos formadas e conduzidas sob o manto protetor de Nossa Senhora.

             Eu era jovem caseira, mas tinha minhas amigas. Comecei a namorar, mas percebi que não era por ai meu caminho. Sempre consultei N. Senhora nas minhas decisões e buscas. Uma noite lhe perguntei: “Nossa Senhora, onde está a felicidade?” Sonhei com vários caminhos. Segui um deles e me encontrei com N. S.do Sagrado Coração. Beijei-a e ao Menino Jesus em seus braços. Acordei e me firmei na união com Deus e a serviço dos doentes, sem me preocupar com o que falavam de mim. São Camilo, representado com o doente no colo sempre mais me motivou a cuidar do doente, de forma próxima e amorosa, sentindo-o como se estivesse em meu colo.

             Foi dificil entrar para a VR. Minha irmã doente queria que eu esperasse ela sarar para entrar comigo. Aos 27 anos, no dia 2/01/1945, tive a coragem de deixa-la e sair de casa. Entrei com as Irmãs de São José que conheci em Cotia, quando lá abriram uma comunidade. Dois anos depois minha irmã falecia. Preparei-me para entrar na VR fazendo uma novena ao Espirito Santo para a festa de Pentecostes.Com isso, meus pais foram aceitando e apoiando minha decisão. Também nossa I. Maria Alberta me ajudou e apoiou muito.

             Após a morte de minha irmã Isabel, cai numa fase depressiva e cheguei a adoecer fisicamente. Quase fui mandada embora. A pedido de Madre Lucila fui enviada à Escola de Enfermagem onde fiquei 4 meses. Com este sofrimento, Nosso Senhor me preparou para depois assumir a missão junto a nossas Irmãs doentes, primeiro no Cenáculo e depois na Casa de Repouso S. José. Comecei no Cenáculo, no dia 19 de setembro

de 1948, a pedido de M. Jacintha que me disse: “Para essa missão é necessária muita paciência. E isso você tem!” A primeira paciente aos meus cuidados foi Irmã Ana Teodora, irmã de Madre Teodora.

             Ao longo destes 50 anos, afirmo e reforço; “Depois de terdes feito tudo o que vos foi ordenado dizei: Somos servos inúteis como quaisquer outros. Fizemos o que devíamos fazer” (Lc 17,10). Com alegria recomeçaria de novo: além de uma gratificante amizade e carinho de todas, sempre encontrei a presença de Deus nas Irmãs, o Deus vivo que busco com fé, com respeito e amor.

             Nunca me preocupei nem angustiei quando Irmãs me questionavam e me convidavam para outro tipo de missão. Sinto que essa foi e é a vocação a que fui chamada. Nossas Irmãs merecem muita minha dedicação. Embora nem sempre bem compreendida, essa missão é um compromisso que assumo com alegria. Inclusive pessoas de minha família foram tratadas com muito carinho nesta casa. Sou muito agradecida a Deus e à minha Congregação por tantos dons recebidos.

 

Alguns testemunhos de nossas Irmãs a respeito de Irmã Rita

 

- “ Em profunda unidade... tive a graça de conviver e mergulhar na santidade desta irmã. Sua pessoa promovia entre nós a verdadeira DUPLA UNIÃO e o Carisma de UNIDADE E COMUNHÃO.”

 

- “ Durante o Fórum da Juventude em 2010, ela foi um ícone para a juventude.”

 

- “ Obrigada pelo seu sorriso encantador e sua bondade cativante! Continue intercedendo por nós no Pai!”

 

- “ Era uma pessoa muito unida a Jesus,”

 

- “ Gratidão a Deus pelo testemunho de santidade e ternura que nos deixou.”

 

- “ Você que cuidou tanto de pessoas doentes e idosas, reze por nós irmãs e pessoas do mundo inteiro.”

 

- “ Uma vida inteira a serviço do cuidado das irmãs idosas...só Deus sabe quanta entrega e fidelidade viveu nesses longos anos. Ela merece ser declarada “padroeira das pessoas cuidadoras de idosos/as”.

 

-“ Agradeço a Deus por ter convivido e aprendido com ela o que é ser testemunha de SANTIDADE, na terra e agora juntinho de Deus”.

 

-“Muita gratidão pela mensagem de carinho, vida e amor pela gente, que sempre nos passava. Ela me evangelizava só pelo olhar, pelo sorriso acompanhado do carinhoso “Inês, como você está?”