Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Fale Conosco
Memorial Saudades
Valdomira Vaccaro

 17/11/1927     08/06/2020



PROVÍNCIA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS DE SÃO JOSÉ DE CHAMBÉRY NO BRASIL

NÚCLEO SAGRADA FAMÍLIA

                           

                                                                            IRMÃ VALDOMIRA VACCARO

                                                                                                                     (Amélia Luiza Vaccaro)

                                                                                                                                * 17/11/1927

                                                                                                                               + 08/06/2020

 

“Tudo posso  naquele que me conforta”. (Fl 4,13)

 

Irmã Valdomira Vaccaro nasceu em 17 de novembro de 1927, em  Linha Graciema, Monte Belo, Rio Grande do Sul.  Era filha do casal, José Vaccaro e Amábile Zoldan Vaccaro, pessoas de uma vivência cristã exemplar. No dia 27 de novembro, levaram a menina à  Paróquia São Francisco de Assis, em Monte Belo, para ser batizada e, em 04 de maio de 1929, foi crismada na mesma Paróquia.


Encontramos em suas anotações: “Meus pais tiveram 04 filhos, no primeiro casamento, sendo eu  a mais velha. Meu Pai morreu tragicamente, ainda muito jovem, e eu tinha apenas 07 anos. Minha  mãe casou novamente, com um viúvo e teve mais quatro filhos.  Como era uma mulher forte,  corajosa e de muita fé educou  seus filhos e mais os enteados, como se fossem seus próprios filhos.


Minha mãe faleceu aos 63 anos, deixando saudades e um vazio no coração de todos nós, filhos, enteados e netos. A “noninha” como era chamada.


Eu e mais uma irmã ficamos sob a responsabilidade dos  avós paternos, pessoas justas e responsáveis, firmes nos princípios da fé e dos  bons costumes. Eu sentia-me como filha junto a eles. Na minha infância, cuidava dos priminhos enquanto as tias se dedicavam aos outros afazeres.


Aos 12 anos, sem saber da realidade da Vida Religiosa, despertou em mim o desejo de ser “mônega”. Falei com meu avô sobre o meu desejo e ele me disse: “Vamos esperar um pouco para ver se não é fogo de palha.” Falou com o Pároco, o saudoso e santo Pe. José Ferlin. Ele o incentivou, forneceu os documentos necessários. Vovô apresentou-me à diretora do Juvenato no Convento São José de Garibaldi, a querida Ir. Luiza de Gonzaga, para saber o que seria necessário. E não é que fiquei no Juvenato no mesmo dia! Devo muito minha formação ao período que vivi no Juvenato.


Em 22 de fevereiro de 1944, fui admitida ao Postulado e, em 17 de outubro, ingressei no Noviciado. Após esta etapa de formação, fiz Profissão Temporária, emitindo os votos de Pobreza,  Castidade e Obediência, aos 19 de outubro de 1945.


Confiei minha vida à Mãe Santíssima que, em todas as minhas dificuldades, esteve presente. Após meus primeiros votos, exerci a missão de educadora, como professora na Escola Rainha da Paz de Lagoa Vermelha, durante sete anos, e no Ginásio de São Francisco de Paula, durante sete anos. Jovem, inexperiente, porém cheia de boa vontade de trabalhar na vinha do Senhor. Minha maior alegria é ter respondido bastante bem no Magistério. Os alunos gostavam de minhas aulas. Deus abençoou meu esforço, minha falta de conhecimentos adequados e deficiência pedagógica.

 

Depois dessa rica experiência na pastoral educacional, migrei para a Pastoral da Saúde. Transferida para a Comunidade Santa Joana d’Arc de Rio Grande, fiz o Curso de Administração  Hospitalar e Auxiliar de Enfermagem.”


Ao ser transferida para Veranópolis, em 1972, administrou o Hospital Nossa Senhora de Lourdes e exerceu também a missão de enfermeira.


Em 1981, voltou à cidade de Rio Grande como coordenadora da Enfermagem e diretora do Asilo de Pobres.  Sempre atenciosa, carinhosa, com ternura de mãe, acolhia os idosos e sentia-se feliz, vendo-os alegres, principalmente, nas  festinhas dos  idosos, dançando com o Clube de Idosos da Cidade em visita ao Asilo.


Retornando a Porto Alegre, assumiu a coordenação da Comunidade Nazaré, em 1982. Em 1995, foi designada coordenadora da Comunidade São Luiz, continuando sua missão de enfermeira e Ministra da Eucaristia. Dedicou-se também  à Coordenação da Liturgia na SPAAN.


Em 2001, assumiu a Coordenação da Comunidade Nazaré e dos serviços de Enfermagem. Em 2004, retornou a Veranópolis, assumindo a coordenação da Comunidade Nossa Senhora de Lourdes, dedicando-se a  serviços comunitários e visita  a  famílias, levando aos idosos e enfermos  palavras de conforto  e esperança e a  graça da  Eucaristia.


Sua saúde fragilizada requeria cuidados, por isso foi transferida para a Comunidade Nazaré. Irmã Valdomira assumiu os constantes desafios que a vida lhe foi apresentando. Viveu sua consagração com  grande   entusiasmo, profunda fé e total disponibilidade. Testemunhou o carisma de “Unidade”, servindo o Senhor na alegria, sendo elo de união na comunidade e com as pessoas de seu relacionamento, fazendo tudo para a maior glória de Deus.  A comunidade foi para ela o lugar que favoreceu a confiança, a afeição e a atenção para com todos, criando um clima de alegria, simplicidade e cordialidade, superando divergências, tensões e conflitos, favorecendo a partilha, conversão e perdão mútuo. Encontrou força na Eucaristia, na oração, na proteção de Maria,  de São José e no cultivo pessoal.

 

Em suas anotações  pessoais encontramos:


“Dou graças a Deus por ter chegado à idade que tenho. Os pequenos desconfortos na saúde, nunca me amedrontaram. Consegui superá-los com ânimo e coragem. Agora, é só continuar minha caminhada para a casa do Pai, sem exigir nada; só me resta agradecer meus atuais 91 anos vividos por amor. Só gostaria que minha passagem para a Verdade não fosse pesada para os outros. Que Maria, a Mãe da boa morte, esteja bem presente neste momento muito importante e que eu possa fazer esta passagem com calma, fé e confiança.”

 

Às 04 horas, do dia 08 de junho de 2020, com 92 anos de idade e 75 anos de Vida Religiosa, Irmã Valdomira respondeu definitivamente ao chamado de Deus, para ocupar o lugar que o Senhor lhe reservou como recompensa de sua vida dedicada ao serviço da vida. Agradecemos, imensamente, as Irmãs e todo pessoal de enfermagem e de outros serviços das Casas Nazaré e São José.

 

ORAÇÃO

Querida Irmã Valdomira!

Obrigada pelo teu testemunho de vida,

generosamente dedicada  ao serviço de Deus e dos irmãos mais necessitados.

Agora que estás nos braços do Pai, intercede por tua Congregação,

por  teus familiares que tanto amaste, teus amigos, médicos, enfermeiras

e todas as pessoas que te cuidaram e as que fizeram  parte de tua vida,

para que Deus as proteja e abençoe.

 

                                                                                                         Porto Alegre, 08 de junho de 2020.