Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Mônica Pinheiro de Azevedo

 09/11/1916     17/01/2020



Província da Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no Brasil

Núcleo SSma. Trindade         

                                                                       Irmã Mônica Pinheiro de Azevedo

                                                                              (Joana Pinheiro de Azevedo)

                                                                                                                   * 09/11/1916     + 17/01/2020

 

 

 

                                                                        “Vem serva fiel! Entra e participa da alegria do teu Senhor”! (cf, Mt 25,21).

 

Joana Pinheiro de Azevedo nasceu a 09 de novembro de 1916, em Ibirá – SP, perto de Catanduva, sendo seus pais o Sr. Miguel Pinheiro de Azevedo e sua mãe, a Sra. Adalgisa Maria de Azevedo. Eram 12 filhos, sendo 8 homens e 4 mulheres. Uma das meninas faleceu bem pequena ainda. Joana era a quarta filha, na ordem de idade. Em 1924, a família mudou-se para Mirassol – SP. Irmã Mônica sempre foi muito ligada a seus muitos familiares. Já aposentada, os irmãos vinham buscá-la para passar dias com eles, em Mirassol. 

 

O contato com as Irmãs de São José foi através de D. Francisca Azevedo (mas não parente), amiga da família. Francisca trabalhava na lavanderia da Santa Casa de São Paulo e graças a ela, a família de I. Mônica foi muito favorecida na Santa Casa, em particular por I. São Geraldo (Rosa Guedes) com tratamento da mãe e de outros familiares. Esse relacionamento ainda brindou a Congregação com uma ótima vocação religiosa.

 

Em fevereiro de 1941, Joana, acompanhada por um dos irmãos, deixou a família para seguir sua vocação. Aguardou até 28 de janeiro de 1942, a entrada no Noviciado da Congregação das Irmãs de São José de Chambéry. No ano seguinte, a 28 de janeiro, recebeu o hábito e o nome de Irmã Mônica. Seus primeiros votos, foram no dia 26 de janeiro de 1945 e a profissão perpétua a 29 de janeiro de 1948. Viveu com fervor todas as etapas da formação alimentando toda a sua vida religiosa com a inspiração destes primeiros anos.

 

Irmã Mônica foi uma pessoa muito dedicada, assumindo com responsabilidade suas tarefas e servindo com amor ao longo de toda a sua vida. Esteve em várias comunidades: Jaú, Campinas, Taubaté no Hospital e no Asilo, foi missionária em Bandeirantes – GO, Jardim Japão, Tremembé e inclusive por alguns anos em Itupeva também em São Paulo.

 

Naquela época havia muitas Irmãs na comunidade de Taubaté. Jovem Irmã, Mônica cuidava do refeitório da comunidade, no antigo Hospital Santa Isabel. Nesse tempo, começava a ter mais abertura para as Irmãs de serviços gerais estudarem. A Mônica aproveitava todos os intervalos do seu serviço, ia logo pegar seu livro e estudar no quarto.  Era muito responsável no cuidado do refeitório, guardava fiel o grande silêncio. Nunca se ouvia de Irmã Mônica, uma palavra desfavorável às pessoas, ela sabia desculpar qualquer falha. Inclusive, em certa comunidade, uma Irmã, talvez estressada, perdia a paciência com a Mônica... e ela dizia, tipo assim: “Melhor que seja comigo, assim as outras Irmãs ficam em paz, livres”.

 

Grande alegria de Irmã Mônica foi participar, com toda devoção, de uma Romaria à Terra Santa, com um grupo de Irmãs de São Paulo em 1998. De acréscimo, juntou suas pequenas economias e foi assim que uma pequena mala vazia, ficou cheia de presentinhos e lembranças abençoadas da Terra Santa, para seus familiares e pessoas amigas.

 

Finalmente, depois de seu longo período de inestimáveis serviços feitos com amor e dedicação, chegou o tempo de descanso. A 27 de dezembro de 2007, I. Mônica foi transferida para a Casa de Repouso São José onde se tornou uma presença querida.

 

Irmã Maria Selya Fing, conviveu com Irmã Mônica, em vários períodos:  “Quando fui trabalhar Casa de Repouso São José, Irmã Mônica já estava na Comunidade, como internada e se mostrou muito feliz com minha chegada. Mônica aceitava com dificuldade não poder ser a pessoa responsável pela copa da Enfermaria, onde sempre queria dar parecer.  Ela estava bem das pernas, andava por todo o jardim e quintal nos espaços livres e dizia: ‘Eu me cuido, sei até onde consigo chegar’. Mas uma manhã, logo após o banho, indo ao refeitório para o café, caiu por fratura espontânea. Sentaram-na e ela foi logo dizendo: ‘Não se preocupem! Não posso ficar em pé, mas vou ficar boa logo’.  Na Santa Casa, constataram fratura do fêmur. Infelizmente, a cirurgia demorou muitos dias e por descuido, Irmã Mônica começou a ter escara que foi aumentando, nos dois pés.  Depois disso, mesmo tratada, Mônica recusou-se a experimentar andar de novo, nunca mais aceitou caminhar”.

 

Em 2015, junto com Irmã Áurea Maria, celebrou seus 70 anos de alegre consagração ao Senhor. No ano seguinte, 2016 celebrou seu centenário, em companhia das Irmãs e de seus queridos familiares.

 

Depois desta longa peregrinação terrestre – 103 anos - amando a Deus e servindo o próximo, com suas laboriosas mãos e preciosa oração, partiu para o Senhor, no dia 17 de janeiro de 2020.

 

Querida Irmã Mônica, junto de Deus, conviva das eternas alegrias,

lembre-se de nós, ainda peregrinas.









topo voltar