Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Artigos
07/12/2018
O Projeto Pense e Faça

Hebe Nunes dos Anjos Verri

Assistente Social da Associação SIPEB

 

A Tecnologia Social e Educacional “Pense e Faça” foi criada pela a Associação SIPEB, em 2008 e propõe, por meio de jogos, melhorar o raciocínio lógico e o pensamento estratégico das crianças e dos adolescentes do Ensino Fundamental I (1º a 5º ano). Propõe-se aprimorar o nível educacional e ampliar os horizontes culturais e sociais dos alunos, desenvolvendo competências cognitivas, emocionais, sociais e éticas.

 

A proposta é atender crianças e adolescentes matriculadas em escolas da rede pública, localizadas em regiões com alto índice de vulnerabilidade social e que apresentam resultado abaixo da média em avaliações externas e tenham seu cotidiano marcado por problemas de evasão escolar e indisciplina. Atualmente, o Pense e Faça atende 02 escolas filantrópicas (mantidas da Associação SIPEB) e 05 escolas públicas de São Paulo.

 

Ao longo dos últimos 10 anos, o Pense e Faça atuou para transformar escolas da rede pública localizadas em regiões periféricas da cidade de São Paulo, em espaços de acolhimento, pertencimento e transformação social. Os resultados comprovados compensam, e muito, o custo-benefício: Atendidos em 2017:  4.637 crianças e adolescentes. Custo por aluno - Anual: R$ 56,83 / Mensal: R$ 5,16 / Diário: R$ 0,23.

 

O projeto Pense e Faça pesquisou, estudou, desenvolveu e usa uma metodologia que promove o atendimento articulado entre as crianças e adolescentes, a escola e a família, visando assegurar acompanhamento integral, prevenção e diminuição da situação de risco e vulnerabilidade, por meio de jogos que promovem protagonismo, ajudam na resolução de problemas e no planejamento em seu dia-a-dia.

 

O trabalho em equipe favorece a formação integral de crianças e adolescentes a partir do processo socioeducativo com ênfase na integração da educação, das artes, da ludicidade e da cultura, contribuindo para formação de cidadãos críticos, ativos e solidários.

 

A metodologia do Pense e Faça

 

As atividades acontecem em formato de oficinas que são realizadas nas próprias salas de aula da escola parceira frequentada pelas crianças e adolescentes. Cada turma, tem a oficina uma vez por semana, pelo período de 50 minutos, utilizando-se uma aula de Matemática. Na prática, o Pense e Faça é aplicado em cada escola pública que solicita o Projeto, por no mínimo dois anos.

 

Para assegurar a metodologia, o Pense e Faça é aplicado por educadores capacitados, treinados e mantidos pelo Projeto. Para cada escola pública parceira, é disponibilizado um Educador Social para desenvolver as oficinas, e um jogo para ser trabalhado mensalmente, em 4 oficinas com sensibilização, exploração e o próprio jogo. O Pense e Faça tem uma coordenadora que faz o acompanhamento e as visitas in loco nas escolas parceiras, elaborando diagnósticos e relatórios sobre o desenvolvimento do projeto. E mensalmente reúne os educadores sociais para retomadas, confronto, avaliação da prática e formação.

 

O projeto é financiado pela Associação SIPEB que mantem os/as educadores/as e adquire o material (jogos).  Firmar Parcerias para Sustentabilidade é um desafio.

 

Para os Professores/as e Gestores das escolas parceiras, os resultados das avaliações evidenciam impactos positivos da metodologia na autoestima do professor, crença na modificabilidade dos alunos e ampliação de seus recursos internos para lidar com as situações de conflito em sala de aula.

 

Anualmente é feita a Tabulação das Avaliações dos professores das Escolas de Ensino Fundamental parceiras, dados usados para avaliar o Projeto na Escola como também os resultados alcançados no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

 

Depoimentos:

 

1.     O Projeto Pense e Faça, acrescenta, agrega ajuda na evolução no ensino e aprendizagem da criança na construção do pensamento e principalmente na disciplina de Matemática. A oficina de Pense e Faça é um facilitador de conflitos calculáveis, o aluno se sente mais seguro em demonstrar e aprender a Matemática. Na minha opinião deveria abrir mais espaço para o projeto e ter mais vezes na semana. O nome já diz Pensa e Faça, o melhor de si e de todos’’.

Professora Daniela, 2D- Escola Carlos Borba

 

2.     O projeto Pense e Faça tem ajudado muito nossa Escola no desenvolvimento escolar dos nossos alunos. Eles têm demonstrado maior interesse e responsabilidade em realizar suas atividades na maioria das disciplinas. O projeto ajudou muito também na sociabilidade dos alunos. Aprenderam a interagir em grupo, respeitando regras e participando de maneira agradável nos jogos. Os alunos adoram...e os professores também’.

Prof. Tânia Cristina Barqueta de Souza 4°A

 

3.     O projeto Pense e Faça em nossa Escola tem sido reconhecido de forma positiva tanto pelos alunos como pelos Professores e Funcionários. As atividades trabalham o raciocínio lógico das crianças, até mesmo a criança com algum déficit de atenção consegue realizar as atividades como as demais crianças. As aulas são sempre elaboradas, tendo como objetivo o aprendizado das crianças. Acredito que em nossa escola o Projeto tem atendido as expectativas esperadas.

Miriam Ferreira Guedes - Inspetora de alunos - Escola Carlos Borba

 

4.     É de extrema importância o Projeto Pense e Faça nas escolas públicas porque ajudano desenvolvimento e na inclusão social. Promove o raciocínio lógico, o agir responsável e a compartilhar valores e conhecimentos.

Prof.  Alexandre Gomes de Melo 4° ano

 

5.     O Pense e Faça é um trabalho com visão construtivista que leva os nossos alunos a uma elaboração de raciocínio lógico e rápido. Somente tenho que agradecer o trabalho desenvolvido e o compromisso da equipe. Um abraço especial para a nossa educadora com seu carinho e atenção aos nossos alunos’’.

Vice-Diretora Claudia Regina Caragnati

 

6.     Meu primeiro contato em sala de aula com o projeto Pense e Faça foi no ano de 2017, quando era professora do 3º ano do Ensino Fundamental, gostei muito da proposta.

Na sala de aula eu tinha um aluno, o Phelipe, que era extremamente introvertido, chegava a gaguejar quando tinha que falar para a sala, não se relacionava com os colegas e na maioria das vezes se recusava a participar de algumas atividades em grupo mesmo fazendo fono e tendo acompanhamento psicológico. Sentia muita dificuldade em auxiliá-lo.

Conversei com a Educadora Social do Pense e Faça. Ela já havia percebido o “jeitinho” quieto do Phelipe. Sua parceria e ajuda, com as propostas dos jogos voltados para a cidadania, pensamento lógico matemático, estratégias, trabalho em equipe, o Phelipe foi se sentindo mais autônomo, confiante, firme nas decisões e comunicativo. Foi uma grande vitória para ele vencer esta barreira. Sua timidez já não o privava de aproveitar momentos em grupo, falava mais, passou a ajudar os colegas com dificuldade, se sentia importante nas tomadas de decisão junto com seus pares.

Foi um trabalho de “formiguinha”, mas que deu ótimos resultados e nós que participamos do processo em conjunto ficamos muito felizes com tudo que aconteceu durante esse ano letivo.

Então só tenho a agradecer pelo Pense e Faça fazer parte da nossa escola de maneira tão positiva. Que continue por muitos anos.

Professora Cristiane Oliveira

E.E. Professor Francisco Faria Neto.






Envie seu comentário

*Campos marcados com  barra são de preenchimento obrigatório.
topo voltar