Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Processo de Integração

Irmãs, a seguir um pouco do cronograma dos passos do Processo:
30 de maio- retorno da ficha 8 --- 30 de agosto retorno da ficha 9 ** Setembro a dezembro: retorno das sínteses das duas fichas e retomada. – janeiro-abril: preparação da Assembleia!
18-20/4/2015- Assembleia com grande nº de delegadas -Itú – SP ..... Continuação dos encaminhamentos sugeridos// MARÇO DE 2016 – Assembleia Capitular: Eleição da Equipe de Coord. da Província Brasil... Organização,... Linhas de ação... e aplicação das decisões do Capitulo Geral...
(8) sugerimos: como deve ser a Equipe Provincial: número de membros e complementariedade.
- Quais as estruturas de participação necessárias para a dinamização da vida em missão da Província e a definição de suas atribuições. Fizemos também tentativas de desenhar algumas propostas desta estrutura

Nesta ficha (9) – Vamos AVANÇAR. Somos convidadas a propor algo a mais que julgarmos necessário para a boa dinamização da vida e missão em seu todo.
Seguimos em dinâmica de Leitura orante.

1. Partir da realidade
Sabemos que para o bom funcionamento de um grupo é necessário ter bem claras as funções do próprio grupo e das pessoas que o compõem. Pensando no estilo de organização que tivemos até agora da equipe de coordenação provincial/regional, avaliamos como muito bom e menos bom:

a. - muito bom destacamos:............
b. - menos bom indicamos:...........
c. - Sentimos que o Novo Modelo irá exigir que:.

2. Deixar-se iluminar pela Palavra - (Js. 24,1-28)

Quando Moisés morreu, Josué ficou no seu lugar como líder do povo em direção à Terra Prometida. O caminho não foi fácil. Ele tinha claros os princípios que orientara Moisés, mas também tinha seu jeito próprio de liderar. Quase no final e sua vida ele realizou uma grande assembleia avaliativa do Caminho feito. O texto que nos relata essa assembleia poderá trazer luzes para as funções que devem orientar a nova Equipe.
Ler e rezar com os textos
a) Js 24,1-28
b) Constituições: Organização e Governo da Congregação nºs 132 a 166.
c) Ler também o texto em “hermenêutica da imaginação criativa”.
Prestar atenção nas funções que tinha Josué como líder do povo. Tomar nota e verificar se se aplicariam às lideranças que temos hoje em dia. Verificar as funções que as Constituições indicam para a equipe provincial e para cada pessoa dessa equipe. Verificar se alguma já não se adequa ao Modelo que queremos seguir. Tomar nota para oferecer ao Capítulo ou à Comissão de trabalho sobre as Constituições. Tomar nota de todas as luzes que nos vem desses textos.

A experiência de Josué ( hermenêutica da imaginação criativa)

Sou Josué, filho de Num e colaborador de Moisés. Partilho com vocês, neste momento, como vivi o meu papel de coordenador de uma comunidade que me foi pedido acompanhar. Sei que o contexto de vocês é bem diferente do meu, mas creio que a minha experiência poderá iluminar a de vocês nesse momento de definir funções para a nova Equipe Provincial.
Depois da morte de Moisés Javé me falou dizendo: “Moisés, meu servo, morreu; agora, levante-se! Atravesse o Jordão, você e todo este povo, para a terra que lhes dou [...] Enquanto você viver ninguém o poderá resistir. Estarei com você do mesmo modo que estive com Moisés; não o deixarei e nem o abandonarei. Seja firme e corajoso [...] Obedeça fielmente a Palavra do Senhor. Não se aparte dela de nenhuma maneira. Assim você triunfará em todas as suas ações” (Js 1,1-2.5-7)
Percebi que a responsabilidade era muito grande, mas estava sereno porque contava com a presença de Javé e isto me deixava animado. A missão encomendada era delicada. Pela experiência vivida lado a lado com Moisés no deserto, intuía por onde deveria ir minha missão. E me saíam algumas funções: garantir a unidade da Família Tribal (Nm 1); animar o povo na fidelidade ao único Deus (Ex 3); descentralizar o poder, não querendo fazer tudo sozinho (Ex 18); cuidar para que não houvesse acumulação de bens (Ex 16) e, sobretudo, ser mediação de um bom acompanhamento espiritual da comunidade para que vivêssemos sempre em atitude de renovar o nosso primeiro amor e a Aliança com Javé (Js 24).
Para acompanhar assim, eu tinha que estar constantemente em atitude de alerta, isto é, de discernimento, para saber o que Deus queria de mim e de minha comunidade. Tínhamos que realizar reuniões com certa frequência. Vou lhes contar uma dessas reuniões: o grande encontro de Siquém (Js 24). Esta foi a última reunião realizada antes de minha morte.

Naquele dia todas as tribos foram convocadas. Escolhemos Siquém porque era um lugar sagrado para nós (cf. Gn 12,6; 33,19; 1Re 12,25) e bastante central geograficamente. Vivíamos nosso compromisso com Deus de maneira superficial. “Dávamos por certas” muitas coisas.
Como podem ver no capítulo 24 de meu livro, iniciamos a Assembleia recordando a nossa história de salvação. A lembrança da passagem de Deus pelas nossas vidas nos situava no caminho de fidelidade dele, pois Deus é sempre fiel (vv. 1-13). O mais forte para a comunidade foi constatar que a nossa vida estava dominada pelos ídolos e a gente nem se dava conta disso. Tratava-se de reconhecer isto e romper com a idolatria para servir somente ao nosso Deus, Javé (vv.14-24). Eu tive que ser o primeiro em dar este passo (v. 15). Reconhecer isto foi muito difícil.
Aquela reunião das tribos foi muito importante para o nosso caminhar histórico. Não foi fácil para mim, começar a “levantar suspeita” sobre a nossa maneira de viver o compromisso, tão repetido teoricamente (v.19). Percebi que isto fazia parte de minha função como coordenador da comunidade, e eu não podia deixar de assumi-lo sob pena de correr o risco de entrar na cômoda dinâmica da mediocridade. Mas, não bastava avaliar a nossa maneira de viver a aliança. Era preciso indicar caminhos para viver em fidelidade. Isto nós o fizemos “registrando por escrito” (mais tarde) o que desejávamos viver. Foi o nosso “Projeto de animação” (vv.25-27).
Você que me escuta, encontra alguma luz para a experiência de vocês neste momento de determinar as funções da equipe de animação e governo da nova Província? Qual?
( Texto em hermenêutica da imaginação criativa –Ir.Virma Barion, CCV)

3. Tentativa de aterrisagem

Tendo em conta a realidade e as luzes recebidas, responder:
a) Quais devem ser as funções da Equipe Provincial?
b) Que funções específicas teria que ter a Provincial?
c) E as outras Irmãs da Equipe de Coordenação (Conselho)?
( Destacar aspectos do que dizem as constituições e inserir necessidades novas)

4. TEMPO DE TRABALHO COM ESSA FICHA E DEVOLUÇÃO:
Enviar a reflexão do : Nº 1 letras a.b,c ( partir da realidade)
Nº 3 letras a.b.c (aterrisagem

Estas respostas podem ser de uma comunidade ou de um grupo de comunidades
ENVIAR à Irmã de referência até dia 30 de agosto

Irmãs, a seguir um pouco do cronograma dos passos do Processo:
30 de maio- retorno da ficha 8 ---
30 de agosto retorno da ficha 9 **
Setembro a dezembro: retorno das sínteses das duas fichas e retomada. –
janeiro-abril: preparação da Assembleia!
18-20/4/2015- Assembleia com grande nº de delegadas -Itú – SP .....
Continuação dos encaminhamentos sugeridos//
MARÇO DE 2016 – Assembleia Capitular: Eleição da Equipe de Coord. da Província Brasil... Organização,... Linhas de ação... e aplicação das decisões do Capitulo Geral...




topo voltar