Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Processo de Integração

Curitiba, 10 de março de 2014

Queridas Irmãs,

Em carta enviada no dia 08/03/14, às comunidades via e-mail e postada no site, comunicando o resultado da apuração dos votos:

Total de Irmãs – 612
Irmãs votantes – 552
Irmãs que optaram por uma Província – 459 = 83% das Irmãs votantes.

Este resultado foi aprovado pelo Conselho Geral, que incentivou e encorajou a continuidade deste processo.
Em breve, serão enviadas novas fichas, seguindo a metodologia usada até o presente momento.
Nas cédulas, muitas Irmãs expressaram justificativas, sentimentos, observações e sugestões, conforme síntese abaixo.
Este material é parte de nossa caminhada de integração para ser retomado, rezado e refletido em comunidade.
Fraternalmente,

Ir. Luiza Rodrigues, Ir. Dominga Zolet, Ir. Neuza Maria Delazari, Ir. Nadalina Perondi, Ir. Maria Célia Fritzen, Ir. Lilia da Cruz Batagelo,

OBSERVAÇÕES DAS FICHAS DE VOTAÇÕES

• Viver mais uma organização em regiões com representatividade em nível de Brasil.
• É para que sejamos mais Irmãs de comunhão, vivendo o sonho do fundador, sendo “uma Congregação” sem Congregação.
• Unirmo-nos mais como Irmãs, nos sentirmos mais Congregação, vivendo a unidade e comunhão.
• Não somos tantas. Já temos muitas coisas em comum. Evitar mágoa, como aconteceu 50 anos atrás.
• Fazer uma integração completa para não começar tudo de novo daqui alguns anos. O número de Irmãs não é tão grande. Seremos Irmãs mais integradas no Carisma de comunhão.
• É tempo de renovação, escuta aos apelos do “Espírito” e dos empobrecidos.
• Fortalece a unidade e o dinamismo da vida e missão. Solidifica uma liderança ampla e criativa.
• Podemos ser um só corpo, um mesmo espírito em diferentes lugares.
• Possibilita priorizar as frentes de missão e parcerias.
• Sendo uma Província só facilita: a integração que tanto desejamos, maiores recursos materiais e humanos, abertura para o novo, experiências diferentes.
• Para que possamos vivenciar a integração das ISJ, na alegria, abertas ao Espírito, buscando sempre o que é bom. Tendo a certeza de que Deus é fiel e nos acompanha sempre.
• Favorece: a integração com todas, o surgimento de novas lideranças, a itinerância apostólica, a abertura para novas realidades, o desapego, a desinstalação, a corresponsabilidade e a entre ajuda.
• Administração única e coordenação da missão também.
• Centraliza forças. Uma rede só pode criar mais unidade e melhor distribuição. Juntas somos mais.
• Porque facilita a organização. Poderá ser ampliada com representantes das áreas.
• Seguindo o processo-U, poderemos caminhar, avaliando e retornando.
• Crescerá em nós a unidade e a vivência como corpo congregacional.
• Será uma força maior na visibilidade de nosso carisma de comunhão.
• Fortalecer a liderança na dinamização de nossa vida em missão.
• “Deixar Deus ser Deus”! Unidas pela fé, na busca harmoniosa do novo jeito de organização, fortalecendo a liderança a serviço da vida, como Província única.
• Considerando a faixa etária, redistribuição das Irmãs conforme a prioridade, facilita a preparação e o exercício da liderança.
• É um apelo à solidariedade na partilha de nossas carências e das possibilidades de construir um novo futuro.
• Porque o número de Irmãs é pequeno e tende a diminuir ainda mais. Porque os MCS facilitam superar as distâncias.
• Mesmo diante da realidade da diminuição em número de vocações e estatística crescente da faixa etária dos oitenta anos para cima, creio na força e luz do Espírito Santo que conduz o processo. Temos Irmãs orantes que sustentam e dão coragem para as que têm capacidade de levar à frente a missão de comunhão. Grande legado de nosso fundador, Pe. Médaille.
• Oportuniza estruturas mais leves. Vai ao encontro da entre ajuda fraterna em termos de vida e missão.
• Não ter medo, confiar, o Espírito Santo atua em nós.
• O momento é propício para unirmos todas as forças, para alcançarmos os objetivos comuns neste tempo de novas necessidades do povo que está sedento em busca de um sentido para a vida.
• Necessidade de privilegiar o ser e depois o fazer. Levar em conta as múltiplas diversidades pessoais e locais.
• Processo a ser continuado: exigente, desafiador, convite a sair do individualismo.
• Acolher o novo na certeza que Deus caminha conosco.
• Reforçar as comunidades e engajamentos nas pastorais, para melhor servir o povo de Deus.
• União de forças e menos gastos.
• Estamos preparadas para dar este passo.
• Um processo de discernimento exige estudo, reflexão, assembleias, etc.
• Deus agiu e nos fez perceber que este processo faz acontecer a unidade.
• É um momento de muita esperança.
• Unidade com Deus e entre nós.
• Dá maior segurança, confiança e esperança. Está surgindo um novo caminho, sempre aberto para prosseguir. Deus está nos conduzindo para um futuro promissor.
• Sinto que Deus está nos conduzindo à realidade de hoje.
• Maior riqueza, mais confiança por este processo.
• Acredito de ser o momento certo, conduzidas pelo espírito do Senhor e assim nos animarmos na entreajuda e no fortalecimento do Carisma das ISJ no Brasil.
• Oportunizará uma nova experiência.
• Necessidade de continuar um cultivo de nossa integração como corpo, como Carisma de unidade. É preciso que isto aconteça na prática e não apenas na estrutura.
• Unir forças, partilha de dons, fortalecimento de nossas comunidades e da missão. A hora é agora.
• A reflexão, estudo e oração feitas neste período fizeram perceber a necessidade de maior integração e unidade. Uma única Província facilitará o intercâmbio.
• Gradativamente crescer no processo sem pressa. A VRC tem que se abrir para novos horizontes, na dinâmica da fé e do discernimento.
• Somos um corpo congregacional. Deus é a vida desse corpo.
• Uma província com uma boa equipe por áreas.
• Uma província será melhor para refletir.
• Pensando na melhoria e na dinamização interna e além fronteiras.
• Para facilitar à organização e liberação de Irmãs para a missão.
• Testemunho de unidade a serviço do Reino de Deus.
• Em relação ao momento histórico em que vivemos com a diminuição de Irmãs e a velocidade das mudanças e transformações, onde tudo converge para o todo, opto por uma única Província.
• Estou consciente que é um passo difícil, por isso precisamos trabalhar nossas diferenças à luz do Carisma.
• Precisamos confiar sempre na graça de Deus.
• Serviremos melhor o Reino de Deus, unindo nossas forças e as repartindo em prol dos mais desfavorecidos da sociedade.
• Seguindo a orientação do Apóstolo Paulo “Examinem tudo, e fiquem com o que é bom”, optei por uma Província porque hoje a Unidade é a vontade de Deus.
• A realidade do mundo, construída sobre o individualismo, pede de nós o testemunho de comunhão pedido por Cristo e confirmado pelo nosso Fundador: colocar tudo em comum para o bem de todos e para que o mundo acredite.
• “Opto por uma Província, tendo em vista a estatística de um número reduzido de Irmãs num futuro próximo e por termos uma coerência com o nosso Carisma”.
• Conforme 1ª Tessalonicense o Espirito age em nós. Sinto que é necessário mudar, somar recursos, partilhar preocupações e caminhar na construção do Reino de Justiça e paz.
• Considerando o trabalho desenvolvido nos seminários percebo que é o momento oportuno para a busca do NOVO. Integrar é uma exigência de hoje; a força do Senhor estará sempre conosco.
• “Para que todos sejam Um”. Para que se realize a Integração entre todas nós e que não haja divisão.
• Uma só Província facilitará a união. Sem avaliação e redimensionamento de ações haverá comparações e desigualdades.
• Nos últimos anos teve muitas programações em conjunto e tem havido facilidade; não vemos nada de evidente que indique valor na separação em mais de uma Província. Tudo indica que podemos optar por uma só Província.
• Facilita a dinamização das obras e missão.
• Sendo uma Província é mais fácil de encontrar caminhos de comunhão nas nossas divergências, nas diferenças e nos sinais dos tempos.
• O processo realizado mostra que é melhor fazer a Integração com uma Província. Envolve menos pessoas nas estruturas e libera outras para a missão.
• A fundamentação que tivemos foi muito clara do que queremos. Somando forças venceremos. A comunhão e a unidade nos darão a força e coragem de sermos consagradas e enviadas em missão.
• Facilita a reflexão e organização do corpo Província, com uma linha comum de princípios e projetos.
• Optei por uma porque sinto que a unidade, o carisma tem sua expressão nesta escolha. Unidas somos mais fortes, formaremos uma família onde tudo será partilhado e assumido por todas.
• Unindo as forças possamos divulgar mais o Reino de Deus, manter vivo nosso Carisma na fidelidade da missão.
• Abrir-nos ao dinamismo do Espirito na fidelidade à Vida Religiosa hoje.
• O objetivo do trabalho realizado foi o mesmo: integrar, unir. Penso ser a resposta do que buscamos.
• Crescer na corresponsabilidade em relação aos compromissos da vida em comunidade.
• Conservar o espírito de unidade. Retomar o que pode ter esmorecido.
• Repensar o porquê ser Irmã de São José.
• A meu ver pela previsão que temos e visto nosso envelhecimento, daqui a 5 anos, somos menos pessoas atuantes. Se optarmos por 02 Províncias teremos que refazer todo o processo.
• Para facilitar a comunicação do grupo que vai coordenar e nos fortalece como corpo congregacional.
• A integração só terá sentido em vista da missão. Diante da situação econômica do Brasil, hoje, isso se faz necessário. Precisamos unir forças.
• Toda nossa caminhada interprovincial tem sido realizada com muita unidade através da formação e outras atividades. Isso favoreceu a unidade entre nós. Então vamos continuar com essa caminhada de maneira mais profunda e integrada, confiando que irá enriquecer a nossa missão como Congregação de Irmãs de São José.

• Considero importante o contato pessoal afetivo e efetivo da coordenadora provincial.
• Estou confiante que o Espirito conduz o processo. Por ser uma experiência, é bom fazer o processo, considerar a distância geográfica, por sermos bastante numerosas duas Províncias facilita a participação. Bens-CNPJ, programas de secretaria, contábeis...
• É prudente e respeitoso optar por duas Províncias. O Espirito de Deus se revela aos poucos, não é tempestuoso.
• Facilita nos encontros devido a idade de muitas Irmãs. Sendo duas tudo fica mais próximo. Sinto que o Espírito Santo me orienta para essa opção.
• Com duas Províncias a organização das comunidades será menos trabalhosa e menos preocupante. Para o futuro será mais fácil formar uma só Província. De momento somos ainda muito numerosas.
• Sinto-me feliz por estarmos dando este passo. A organização estrutural em duas Províncias será mais fácil e participativa. Receio em despender tempo demasiado em estrutura e negligenciar o comunitário e espiritual; é o que grande número de idosas mais deseja.
• Num primeiro passo penso que duas Províncias respondem melhor às necessidades das Irmãs e da missão.

• Quem votou em branco colocou as seguintes justificativas: falta de clareza dos objetivos; de clareza do processo; não vejo claro; objetivos não definidos.

Sugestões:
 Imagino uma coordenação no centro do País - formação de núcleos.
 Formar núcleos definidos com novas estruturas. Cada núcleo com realidades diferentes, certa liberdade de se organizar. Evitar em todos os níveis o nome: Provincial, Província, isso para evitar lembranças de estruturas superadas.
 Uma coordenação central usando os meios de comunicação existentes.
 Poderá haver pequenas coordenações por área, nas diversas localidades para uma maior sintonia e facilitando uma linha comum e o bom andamento da Província.
 As Províncias que estão com processo eletivo nesse ano, deveriam manter o mesmo Conselho em 2014 e 2015. Já iniciaríamos uma proposta unificada de trabalho.
 Necessidade de preparar lideranças.
 Que tal se esta nova organização fosse por um tempo determinado, como experiência e depois assumido?


topo voltar