Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Maria Zandoná

 01/07/1926     16/07/2018



Província da Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no Brasil


                                                                                                            IRMÃ MARIA ZANDONÁ

                                                                                                                         * 1º/07/1926

                                                                                                                                                               + 13/07/2018

 

Irmã Maria Zandoná, filha de Geremia Zandoná e Angela Bortoli, nasceu em Veranópolis no dia primeiro de julho de 1926. Eram oito irmãos, quatro seguiram a Vida Religiosa na Congregação das Irmãs de São José.


Além das Constituições das Irmãs de São José, Irmã Maria baseava sua oração e intimidade com Deus na Palavra do Evangelho. Dizia ela: “Precisamos ser como os discípulos de Emaús e pedir para Jesus: ‘Fica conosco, Senhor!” Depois que os discípulos reconheceram o Senhor, seus corações se acalmaram. Sentiram paz e segurança.


Na verdade, Irmã Maria foi uma pessoa de paz, não se abalava diante das dificuldades.


Aos 20 anos, após decidir responder ao chamado que o Senhor lhe fazia para segui-lo na Vida Religiosa Consagrada, fez a etapa do Postulado no Convento São José em Garibaldi e no dia 21 de fevereiro de 1948 fez o primeiro engajamento na Congregação das Irmãs de São José.


Pessoa disponível, generosa e serviçal, respondia aos apelos da Congregação com alegria e serenidade. Foram muitos os lugares marcados pela presença e missão de Irmã Maria: Caxias do Sul, Pinto Bandeira, Concórdia, Pelotas, Nova Pádua, Porto Alegre, Flores da Cunha e São Marcos. Em 1992, respondendo a um convite, foi para Mato Grosso do Sul, integrando as comunidades das Irmãs em Deodápolis, depois Vicentina e por fim Dourados, retornando, após nove anos, para Rio Grande do Sul.


Irmã Maria conhecia a importância e a necessidade da oração para ser fiel à sua Vocação de servir a Deus e aos irmãos como Irmã de São José. Sempre que estava ao seu alcance, participava da Celebração Eucarística. Acreditava profundamente na Palavra das Constituições que dizem: “A Eucaristia, Sacramento da Unidade na Igreja, constitui para nós a fonte de participação na missão de Cristo”. Não limitava o tempo em que permanecia na capela em oração diante da presença de Jesus na Eucaristia.


Tinha grande amor aos pobres. Habilidosa nos trabalhos manuais, sua intenção e vontade eram de sempre poder ajudar as pessoas necessitadas.


Irmã Maria era pessoa agradecida e de boas relações. Respeitava as diferenças pessoais e era paciente na hora das dificuldades. Agradecia e louvava a Deus pelo “SIM” de tantas Irmãs de quem, segundo ela, recebia muita ajuda. Agradecia porque as Irmãs acreditavam que ela era capaz de viver o Carisma de Comunhão.


Tinha afeição aos familiares. Seu desejo era de ver os irmãos unidos pelo amor e na fé em Deus. Perguntada o que diria às jovens vocacionadas, respondeu: “Busquem conhecer as coisas de Deus. Esse é o caminho mais curto para viver a felicidade que não passa”.


Irmã Maria acolheu na fé e na paz o período onde sua saúde esteve bastante fragilizada. Era dócil e de nada reclamava.


Querida Irmã Maria, as Irmãs de São José, os familiares e tantas pessoas que foram por ti ajudadas e guardam teu testemunho de bondade, de acolhida alegre, de simplicidade e pobreza, te dizem adeus neste momento. Porém, guardamos na memória e no coração a imagem da pessoa maravilhosa que foste. Fica na paz junto de Deus e intercede por nós que ainda peregrinamos nesta terra. Que tua prece ao Senhor alcance bênçãos para a Congregação e a enriqueça com novas e generosas vocações engajadas no seu Reino que é Justiça e Vida plena para todas as pessoas.


                                                                                          Descansa na Paz do nosso Deus.

                                                                                                                                                                         Garibaldi, 14 de julho de 2018









topo voltar