Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Irmã Maria Ignez Miranda

 18/11/2019     29/07/2017



PROVÍNCIA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS
 DE SÃO DE CHABÉRY NO BRASIL

Núcleo Santíssima Trindade


Irmã Maria  Ignez Miranda

 

* Nascimento: 18/11/1919


+ Falecimento: 29/07/2017


“Olhai as flores do campo” (Mt 12,27). “Olhai para as aves do céu (Mt 6,26).

 

Maria Ignez Miranda nasceu a 18 de novembro de 1919, na cidade de Araçariguama - SP, sendo seus pais, o Sr. Malachias Pereira Miranda e D. Benedita Branca de Moraes. A criança foi batizada no dia 23 do mesmo mês. Sua mãe faleceu quando ela tinha apenas 7 meses e foi então levada para a fazenda Capela Velha com o pai que também veio a falecer quando Maria Ignez tinha só 3 anos.  A pequena voltou para Araçariguama sendo criada pelos avós maternos dos quais recebeu toda sua formação até os 16 anos.   Os avós eram muito religiosos e gostavam de ajudar a todos os que deles precisassem. Desde cedo, a menina ajudava nos serviços da casa e assim foi crescendo piedosa e alegre.

 

Por intermédio de uma amiga da avó, conseguiu uma vaga para trabalhar na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, na seção de lavanderia. Nesse tempo, o salário que recebia, ela enviava para os avós então já bem velhinhos e cansados.

 

Apesar de, no trabalho, conviver com as Irmãs de São José da Santa Casa, nunca lhe havia passado pela cabeça que poderia também ser parte da família religiosa. Até comentava com as companheiras que ser religiosa não era para ela. Inclusive quando uma das funcionárias entrou para a Congregação firmou posição: “Jamais faria isso, que gosto perdido tinha essa colega”. Mas há tempo, Irmã Florinda Palumba, encarregada da seção, seguia sua pequena funcionária Maria Ignez (ela era de baixa estatura, quase uma menina). Um dia, sem mais preâmbulos, Irmã Florinda lhe perguntou: “Você gostaria de ser religiosa?”

 

A moça se calou confusa. Começou a rezar e viu-se pedindo a Nossa Senhora que a esclarecesse. Estava ainda perturbada quando a Irmã Josefina da Anunciação Gex, Superiora Provincial, apareceu na Santa Casa e teve uns minutos de conversa com ela. Como acontece, Deus tem seus caminhos na vida das pessoas, e não foi diferente para a Maria Ignez. Aberta ao Senhor, descobriu o chamado de Deus e logo um mês depois, ei-la partindo para iniciar o Postulado em Itu, no dia 10 de agosto de 1936. A 25 de janeiro de 1937, recebeu o hábito e o nome de Irmã Águeda, que conservou até a década de 60.

 

Irmã Águeda se esforçava para responder sempre mais fielmente ao chamado de Deus. Cada dia renovava suas promessas do Batismo e da vocação religiosa e enfrentando corajosa as dificuldades e desafios que se apresentavam. Sempre unida a Jesus e a Maria, ia progredindo no caminho da oração e do serviço. Chegou assim preparada aos seus Primeiros Votos que pronunciou a 06 de agosto de 1939. Para ela, dentro daquela fidelidade que mantinha com o Senhor, já eram votos definitivos. Foi no dia 26 de janeiro de 1945 que, muito bem preparada, Irmã Águeda pronunciou seus Votos Perpétuos.

 

Irmã Ignez continuou vida afora, assumindo sua missão de serviço, os mais diversos, em diferentes cidades e comunidades das Irmãs, sempre e acolhendo as determinações das Superioras sem pensar muito em escolher para si o que talvez desejasse. Simplicidade sempre foi sua marca.

 

Irmã Maria Ignez, sempre foi aquela pequena chama da presença de Deus consumindo sua vida toda voltada ao serviço do povo, dos mais pobres, dos doentes e de suas Irmãs. Sempre um sorriso amigo, muitas atenções e o testemunho da oração. No sofrimento e na alegria, no amor, sua busca única foi Deus servido e amado nas pessoas. Serviço prestado com redobrado amor, quando lhe cabia a responsabilidade de sacristã.  As vocações sacerdotais e religiosas eram sempre lembradas na sua oração.  Não esquecia as leituras espirituais nem seu exame diário buscando sempre o próprio aperfeiçoamento.

 

Muito conhecido de todos/as era seu amor pelas plantas e pelos passarinhos. Em especial, nos anos vividos na Comunidade do Tabor (1991-1999), demonstrou quanto mereciam seu especial cuidado e carinho. 

 

Na Congregação, foi longa a trajetória daquela que o Senhor chamou na lavanderia da Casa dos Pobres Doentes, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, num longínquo dia de 1936. 

 

Em 2011 foi transferida para a Casa de Repouso São José. Aí debilitada e dependente de cuidados, nossa Irmã Inesinha veio a falecer no dia 29 de julho de 2017, faltando apenas 8 dias para completar 78 anos de VR, a contar de seus primeiros votos.

 

Querida Irmã Maria Ignez, junto do Senhor,

nos acompanhe seu exemplo e sua oração!

 








topo voltar