Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Elenice Buoro

 17/10/2043     22/04/2016



Província da Congregação das Irmãs 

de São José de Chambéry no Brasil

                           

                                                                                                                             Irmã Elenice Buoro

 

                                                                                                                                                       * 17/10/1943      + 22/04/2016

 

 
                                                                                             

 

 

                                                                                                           

“Caminha com ardor sempre crescente para ver o Deus dos deuses em Sião” (Sl 83,8).

 

“Eu procuro Aquele que por nós deu a vida, e desejo Aquele que por nós ressurgiu” (Santo Inácio de Antioquia).  Essa foi a vida de nossa Irmã Elenice, toda procura, toda desejo, toda paixão por Jesus Cristo. E por seu povo. A pessoa de Jesus, sua Igreja, as realidades do mundo, os pobres da terra era o que mobilizava a Elenice, sua prática, seu compromisso e ação nascida da profunda e mística comunhão com Deus. 

 

Elenice nasceu na festa de Santo Inácio de Antioquia, a 17 de outubro de 1943, em Jaú – SP, sendo filha do Sr. Eugenio Buoro e de D. Christina Palma Buoro que lhe ofereceram a convivência de uma família numerosa, sendo 8 irmãos – 4 homens  e 4 mulheres. Além disso, na casa grande da fazenda, viviam o patriarca, nono Ângelo, a matriarca, nona Luiza e os tios Alberto e Terigia com seus 11 filhos. De modo que a menina Elenice, desde cedo foi se educando na arte de conviver e de construir bom relacionamento com muitas pessoas.  Nesta família bem ampliada, aprendeu a partilha, a atenção, o respeito mútuo, a compaixão que a acompanharam vida afora. Como bem lembrou Alceu, o irmão caçula, em tocantes palavras: Elenice era uma incansável distribuidora de doçura comunicada a mãos cheias.

 

A 05 de dezembro de 1943, Elenice foi batizada na Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio em Jaú,  sendo crismada aos cinco anos de idade. A graça destes sacramentos encontrou terreno fértil para frutificar cento por um. Seu  curso primário, Elenice o fez na escolinha da fazenda. E depois foi para o internato do Colégio das Irmãs de São José em Jaú para cursar o Ginásio, destacando-se sempre como ótima e aplicada aluna, inteligente e estudiosa.

 

Logo, Elenice se encantou com as Irmãs de São José. Praticamente adolescente ainda, escolheu seguir sua vocação de também ser uma Irmã de São José. Assim, quando cursava a 4ª. Série do ginásio entrou para o Juvenato de Itu, em busca deste seu ideal. Acabado o Ginásio e Curso Normal (Magistério) entrou para o Noviciado a 29 de janeiro de 1963. Recebeu o hábito a 31 de julho do mesmo ano e a 31 de julho de 1965 pronunciou seus primeiros votos. Sua profissão definitiva foi celebrada a 07 de março de 1971.

 

Irmã Elenice fez o Curso de Pedagogia, mas apenas no início de sua VR, foi professora no Colégio de Santos. A experiência lhe mostrou que definitivamente não era vocacionada para o magistério.  Sem problema. Elenice não tardou a encontrar no meio do povo no interior de Goiás ou nas periferias das cidades, o seu campo preferido de missão, de entrega a Deus na pessoa de tantos/as irmãos/irmãs que mereceram a prioridade de sua opção primeira, generosamente vivida ao longo de longos anos.  Itu, Rubiataba, Mozarlândia, Bandeirantes, periferia de Goiânia, de São Paulo, Missão no Timor Leste... Quantas pessoas tiveram o privilégio de sua dedicação e ajuda!

 

A dinâmica da  missão a impulsionava a atualizar-se sempre para melhor servir. Fez curso de Psicologia com Especialização em Stress, Logoterapia, cursos de Bíblia na linha do CEBI (Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos), de Liturgia na Rede Celebra, e tantos breves cursos de fim de semana, a fim de colocar-se “a serviço da fé e da vida dos mais fracos”, como dizia.  Trabalhou na Formação Inicial e Contínua, fez parte da Equipe de Retiros e de Espiritualidade.

 

Também a liderança da Província a requisitou durante uma temporada. Foi difícil, mas com generosa abertura, Elenice aceitou primeiro o serviço de Conselheira em 1992. Quando em 2008 foi eleita como Provincial, aceitou assumir este serviço, lembrando as palavras de Irmã Carol Zinn: “Não há nenhuma situação no mundo que Deus não possa transformar em graça”. Dedicou-se a esta missão de 02/08/2008 a 06/08/2012.

 

Em 2015, Elenice comemorou com as Irmãs seu Jubileu de Ouro de VR.  Também  teve uma memorável celebração em Jaú, com missa na Matriz Nossa Senhora do Patrocínio reunindo mais de cem familiares. Na ocasião, recebeu do celebrante uma nova certidão de Batismo além de uma imagem de N. S. do Patrocínio o que a deixou muito feliz. Seguiu-se uma alegre confraternização na chácara da prima querida, e uma sessão de slides históricos da família, desde a Itália, chegada ao Brasil e até o momento presente.

 

Logo que entregou o cargo, se apressou a encontrar um local e formar uma nova comunidade na periferia de São Paulo o que aconteceu no Jardim da Conquista. Foi daí que partiu em missão para a Tanzânia, a 15 de março de 2016.

 

Companheira, amiga, irmã, inspiradora, Elenice, “não precisava ir tão logo nem para tão longe!” Abatida por uma malária cerebral, partiu da Tanzânia, definitiva e repentinamente, “silenciosa e doce como um passarinho que cai do ninho em noites de tempestade”.  Partiu desta missão que já a alegrava tanto, finalizando sua caminhada nos braços do Pai. Era o dia 22 de abril de 2016.

 

“Na fé, celebramos com alegria e gratidão, esta pessoa tão especial que Deus nos concedeu. Com os olhos sempre fixos em Jesus e como discípula amada, a  maior especialidade de I. Elenice foi viver o amor como dom supremo.  Construiu cirandas de unidade e de comunhão, no respeito, na escuta e na oração, tornando-se a irmã mais irmã do mundo.  Celebramos I. Elenice, pelas urgências missionárias, éticas, proféticas que trazia dentro de si. Celebramos I. Elenice que abraçando o projeto de Jesus deixou-se conduzir pelo Espírito do Pai nos mil caminhos percorridos com alegria generosa e perseverante. Celebramos I. Elenice por sua vida simples e compassiva, esquecida de si, sempre a caminho, cuidando da vida, pensando / curando feridas. Celebramos I. Elenice ressuscitada, feliz, cheia de alegria celeste. Enfim, Elenice, ‘estamos juntos/as na vida eterna, não tem outra vida, apenas outra dimensão’”.

 

Querida Irmã Elenice, feliz na glória, lembre-se de nós!

topo voltar