Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Antônia Laura

 25/04/1928     17/04/2016



PROVÍNCIA DAS IRMÃS DE SÃO JOSÉ DE CHAMBÉRY NO BRASIL

PORTO ALEGRE, RS


                                                                                                                         DADOS BIOGRÁFICOS

                                                                                                                IRMÃ REGINA ANTÔNIA CONTIN

                                                                                                                                (Antônia Laura)

                                                                                                                                    *25/04/1928

                                                                                                                                    +03/04/2016


Aos 25 de abril de 1928, nascia Antônia Laura, primeira filha dos 10 filhos do casal Antônio Anibal Contin e Regina Spagnolo Contin, na Linha 10 de Julho, em Antônio Prado.


Na família, ela aprendeu a assumir o trabalho com responsabilidade, a amar a Deus e ao próximo iniciando pelos pais e irmãos, a viver a fé e os valores cristãos recebidos dos pais.


Aos 26 anos, Antônia se decidiu por um outro caminho – a Vida Religiosa, e entrou no juvenato das Irmãs de São José. Contente com sua escolha, foi admitida ao Postulado, no dia 23 de fevereiro de 1957, no Convento São José de Garibaldi, e, aos 17 de dezembro, iniciou a etapa do Noviciado recebendo o Hábito e o nome religioso de Irmã Regina Antônia. Passados dois anos, aos 17 de dezembro de 1959, fez sua Profissão Temporária de viver os votos de castidade, pobreza e obediência. Convicta de que era essa sua vocação, com alegria, aos 29 de janeiro de 1965, fez sua Consagração Religiosa Definitiva a Deus no serviço aos irmãos e irmãs, prometendo viver a fraternidade em comunidade.  


Irmã Regina Antônia tinha por lema “Amar a Deus respondendo a Seu chamado”. Para ela, viver o Carisma das Irmãs de São José era amar e ajudar as Irmãs e a todas as pessoas a serem felizes. Por isso, estava pronta para servir, não sem sofrimento, nos locais e comunidades que precisassem de sua presença e ajuda. Sempre se dedicou a serviços domésticos, cozinha, costura e lavanderia. Participou de alguns cursos, como: corte e costura, corte de cabelo, de tapeçaria, de Bíblia, especialmente, quando morou nas Comunidades Santa Joana d´Arc e Casa da Criança Sagrado Coração de Jesus, em Rio Grande. Colaborou também, no Hospital São Pedro, em Porto Alegre; Seminário dos Freis Capuchinhos, em Vila Flores; Colégio São José – Montenegro; Comunidades Regina Coeli e São José, em Veranópolis. Ali, gostava de visitar a Casa de idosos e, também, visitava os doentes nas famílias. Nas Comunidades Madre Justina Inês e São Luiz, em Porto Alegre, dedicou-se, ainda, no Projeto de Confecção de Fraldas, em trabalhos artesanais, na horta, no crochê e na costura para as Irmãs. Gostava muito de visitar os idosos e os doentes no asilo ou nas famílias. Buscava fazer tudo bem feito, com alegria, e dizia: “Sinto-me feliz em ajudar e servir, conforme os dons que Deus me deu”.


Tinha grande devoção a Nossa Senhora e à Eucaristia. As frases bíblicas que mais a marcaram são: “A Eucaristia constrói, renova e é força de vida.” “Jesus disse: ‘O meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e Eu realizo a sua obra’.” Eram tempos importantes de crescimento: a oração pessoal diária, o terço, a recitação dos Salmos, a Missa, o encontro comunitário, as palestras, os encontros e o retiro anual. “Foi a oração que sempre a manteve em pé, com força e unida a Deus... sem preguiça.”


A comunidade foi sempre uma família para ela, “pois a vida comunitária tira a gente da solidão”. “É muito bom sentir-se aceita e amada pelas Irmãs. Isto faz a gente feliz.”


Diante da doença, da velhice e dos limites que a vida foi lhe apresentando, acolhia com tranquilidade e se esforçava para ouvir melhor as pessoas e a superar as dificuldades devido à surdez. Buscava aceitar e oferecer tudo a Deus pensando que havia feito tudo que estava ao seu alcance e bem feito.


Em 2014, após um tempo de doença e hospitalização, foi levada à Comunidade Nazaré, em Porto Alegre, para se recuperar e fortalecer, mas, devido a sua fragilidade, permaneceu ali, tendo assim todos os cuidados de que necessitava.


Nos últimos dias, apresentou um quadro instável, e, hoje, 03 de abril de 2016, Domingo da Misericórdia, às 8h15min, o Pai misericordioso veio libertá-la de seu sofrimento para introduzi-la na glória celeste. Tinha 87 anos de idade (dia 25 deste faria 88 anos) e 57 anos de Vida Religiosa. 


Irmã Regina Antônia, intercede a Deus por teus familiares e pela Congregação que te acolheu e que foi tua segunda família; pede, também, que abençoe a Província Única das Irmãs de São José no Brasil, a fim de que todos e todas sejamos fiéis testemunhas de Jesus Cristo.


                                                   

                                                                                                                                                                               Porto Alegre, 03 de abril de 2016.

 

topo voltar