Irmãs de São José de Chambéry do Brasil e Bolívia
Memorial Saudades

Maria Palma

 27/05/1922     26/02/2016



Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no Brasil


                                                                                                                             * 27/05/1922

                                                                                                                             + 26/02/2016

 

                                                                                               “Pois Deus não nos deu um espírito de medo, de timidez,

                                                                                               mas um espírito de força, de amor e de sobriedade” (2Tim 1,7)


 

E foi com esse espírito de Deus que Irmã Maria Palma viveu sua vida e missão. Não teve medo de anunciar Jesus, de testemunhar os valores da Vida Religiosa que assumiu como Vocação.


Irmã Maria nasceu dia 27 de maio de 1922 em Boa Vista, município de Erechim. Filha de Ernesto e Romilda Cassella Palma. Eram sete irmãos. Era muito afeiçoada aos familiares e os recordava em suas preces. Gostava de lembrar seus tempos de infância junto aos irmãos e seus pais,


Recebeu o sacramento do Batismo no dia 24 de outubro de 1922.  Aos 21 anos, entrou no Postulado das Irmãs da Congregação de São José em Garibaldi e, em 1944, fez o primeiro engajamento, assumindo com consciência e na radicalidade a Vocação à Vida Religiosa.


Irmã Maria Palma era pessoa de paz, serena, unida a Deus e dedicada aos irmãos e irmãs, dando preferência aos menos favorecidos. Sua alegre simplicidade a fazia bem vinda entre os pobres. Sua disponibilidade a fez percorrer uma longa trajetória como Irmã de São José.


Como Auxiliar de Enfermagem e Administração Hospitalar, prestou seu serviço durante 16 anos no Hospital Psiquiátrico São Pedro, Porto Alegre, além dos Hospitais de Veranópolis, de Garibaldi, Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Antônio Prado, na Santa Casa de Misericórdia em Porto Alegre e Ambulatório São José em Pinto Bandeira. Muitos foram os lugares marcados pela presença evangelizadora de Irmã Maria tanto na catequese, liturgia, visita às famílias, Pastoral da Saúde: nos Bairros Pioneiro, Panazzolo em Caxias do Sul, Laranjal e Santa Teresinha em Pelotas, Bela Vista e Mutirão em Garibaldi e ainda em Dourados, MS.


Em cada pessoa por ela atendida, procurava ver a imagem de Deus, às vezes desfigurada ou mutilada.


A vivência da Palavra de Deus foi uma constante em sua vida, ajudando-a a atender com carinho todas as pessoas que encontrava na caminhada. Uma de suas frases-força era: “Não julguemos e não seremos julgadas, não condenemos e não seremos condenadas, perdoemos e seremos perdoadas, demos e nos será dado” (Lc 6,37-38).


Buscava rezar com a Bíblia e seu espaço preferido era a capela, na presença de Jesus na Eucaristia. E justificava: “Lá me sinto envolvida pelo amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo, juntamente com todos os filhos de Deus, presentes no Planeta Terra, especialmente os pobres e marginalizados.”


Gostava de cantar a estrofe do salmo: “A Minha alma tem sede de Deus, pelo Deus vivo anseio com ardor!...” (Sl 42)


Sua sinceridade e autenticidade, sua capacidade de escuta e paciência faziam de Irmã Maria pessoa de bom relacionamento. Dedicava o tempo necessário para ficar com as Irmãs. Gostava do diálogo. Zelava pela vivência do número 11 das Constituições das Irmãs de São José que diz: “Padre Médaille deu à nossa Congregação o nome de São José para que vivamos entre nós e no serviço do próximo relações de simplicidade e de cordial Caridade.” Era serviçal na comunidade onde vivia, acolhia bem as pessoas e as mais diferentes situações que se apresentavam.


Irmã Maria Palma manifestava ser muito feliz em ser Irmã de São José.


Ao comemorar 60 anos de Vida Consagrada expressou sua alegria num hino de ação de graças pela ternura e amor do Pai. O que marcou seus 60 anos foi fazer a memória de sua fidelidade em fazer a vontade do Pai, viver junto às irmãs a mesma vocação de “chamadas, consagradas e enviadas” para a missão de promover a Unidade das pessoas entre si, com Deus e com todas as criaturas.


Em 2010, foi transferida para a Comunidade São José de Garibaldi. Era generosa na ajuda às Irmãs que necessitavam de seu auxílio e presença. Era pessoa alegre, generosa, atenciosa e delicada nas relações fraternas. 


Em 2015, passou a integrar a Comunidade da Betânia. Gostava de passar o tempo, na capela, em oração. Participava, com proveito do retiro anual. Nos tempos livres, cultivava o jardim e vasos de flores. Apreciava participar dos encontros comunitários e do Regional “História que Renasce”.


Quando a saúde foi se fragilizando, era sempre muito agradecida pelos cuidados que recebia. Demonstrava gratidão ao receber visita de familiares e de pessoas amigas.

 

Querida Irmã Maria Palma, fica com Deus a quem tanto amaste e serviste na terra. Despedimo-nos agradecendo ao Senhor a pessoa amável que eras, o testemunho de fidelidade, alegria, coragem e disposição para servir onde tua presença era solicitada. Ajuda-nos na nossa caminhada enquanto aqui estivermos. Intercede por teus familiares, pelas pessoas que sofrem e as que promovem e protegem a Vida a exemplo de Jesus.


Descansa na paz e no amor Misericordioso de Deus.

 

                                                                                                                                                                 Garibaldi, 26 de fevereiro de 2016


topo voltar